Tecnologias Web


Amplie a inteligência do seu negócio, com tecnologias adequadas
FOI-SE O TEMPO em que para uma empresa ter um site, bastasse pensar em design, funcionalidades e conteúdo
Estratégias de Cache
SEO
Chat ao vivo
Cookies
Segurança
E-mails Transacionais
Gestão DNS
LGPD
Web Analytics | Bytebio
Além de ajustes finos e certa profundidade técnica, para seguir todas as normas, ser visível pelos robôs de busca e entregar resultados. Sem isso, é apenas mais um site. E ponto.

HOJE EM DIA, PARA UM SITE SER COMPETITIVO HÁ UMA PILHA DE TECNOLOGIAS POR TRÁS

Web Analytics | Bytebio
Web Analytics | Bytebio
Na era digital, onde DADOS promovem INTELIGÊNCIA e INSIGHTS para o negócio, atualmente temos ainda: leis, normas, boas-práticas e um arsenal de TECNOLOGIAS que se complementam, para deixar sites como ferramentas EFETIVAS para o negócio.
AGORA, as tecnologias estão "desacopladas", porém INTEGRADAS, provendo o que ela realmente precisa para estar COMPETITIVA, norteando os investimentos em MARKETING, conhecendo melhor o comportamento do seu PÚBLICO e gerando RESULTADOS.
Web Analytics | Bytebio
Web Analytics | Bytebio
Web Analytics | Bytebio

O QUE ENTREGAMOS

DESIGN MODERNO E ELEGANTE COM ATENÇÃO À UI/UX
SITE RESPONSIVO (ADEQUADO À DIFERENTES FORMATOS)
O site responsivo permite que os sites sejam visualizados sem distorções em diferentes tipos de dispositivos. Além de promover proximidade da marca com o cliente, também possibilita o aumento no número de conversões.

51,3% de todo o uso da internet é feito em dispositivos móveis. E esse número vai continuar crescendo no futuro.

Site responsivo

SUA EMPRESA JÁ POSSUI UM BELO SITE?
Ok! Então considere agora acoplar uma camada ANALÍTICA, para prover INTELIGÊNCIA ao comercial e novos INSIGHTS. Não precisa refazer o site. Vamos conectá-lo às outros serviços complementares e revitalizá-lo.

Integrado ao Google Analitycs (GA4)

Integrando o seu site no Google Analitycs você terá dados em tempo real e além de mensurar o desempenho de todos os canais de entrada do site, sendo eles por campanhas de e-mail marketing, Google Adwords, tráfego orgânico (SEO), redes sociais, tráfego direto, dentre outros.

Integrado ao Google Adwords (GADS)

O Google Adwords é uma das ferramentas que mais gera receita e campanhas de sucesso no marketing digital e ter um site integrado a essa ferramenta pode atrair inúmeros visitantes qualificados.

Integrado ao Google Search Console (GSC)

Ter o seu site integrado ao Google Search Console é essencial para que você otimize seu site para as buscas do Google. Saber usá-la pode ser um desafio, mas os resultados fazem valer o esforço.

Google Tag Manager (GTM)

Com o GTM é possível inserir apenas um código em um site, para depois instalar diversos serviços sem precisar mexer nesse código. Ao centralizar a gestão de códigos no GTM, o marketing ganha autonomia, melhora a produtividade e reduz custos com TI.
Conversões e Metas

Rastreamento de eventos

Os eventos são as interações do usuário com o conteúdo que podem ser avaliadas independentemente do carregamento de uma página da Web ou de uma tela. Downloads, cliques em links, envios de formulários e reproduções de vídeo são exemplos de ações interessantes para analisar como eventos.
SEO AVANÇADO
(Search Engine Optimization)
SEO é um conjunto de técnicas que buscam a otimização de sites para os mecanismos de busca.

Visão geral de domínio

Imagine ser capaz de fazer a engenharia reversa de SEO, marketing de conteúdo e da estratégia de mídias sociais dos seus principais competidores.

Permite que você obtenha informações sobre as estratégias que estão dando mais certo em outros sites no seu nicho, para que você possa adotar estas estratégias, aprimorá-las, e ganhar uma vantagem competitiva.

Pontuação de SEO

Essa é sua pontuação geral de SEO on-page para todas as páginas escaneadas durante a auditoria do site. 0 é a pontuação mais baixa possível e 100 é a mais alta. Com uma pontuação de 84, meu site é classificado como “ótimo”. Além desta, existem outras métricas, como backlinks.

Velocidade

Seus usuários esperam que o seu site carregue rapidamente. Sem isso, você pode perder muito tráfego.

Se o seu site não for rápido, tanto o seu público quanto o Google vão ter uma opinião ruim dele.

Análise de palavras-chave

Conheça volume de tráfego das palavras-chave de seu site e encontre o número de possíveis clientes que buscam essas palavras-chave. Tendências - acompanhe como o volume de buscas vai mudando com o tempo.

Ranking de palavras-chave

Você precisa de mais ideias de palavras-chave? Desde palavras-chave principais até frases de cauda longa, conseguimos lhe sugerir centenas de sugestões com ferramentas de SEO avançado. Você também poderá saber o volume de pesquisa, análise dos concorrentes, e até mesmo tendências sazonais para cada palavra-chave.
Oferecemos relatórios para melhorias de SEO.

Melhorias para SEO

Verificação de integridade – Integridade geral das páginas do seu site.
Erros críticos – Problemas que têm o maior impacto na integridade do seu SEO
Avisos – Problemas menos impactantes que ainda merecem atenção
Recomendações – Recomendações a serem consideradas, mas que não têm muito impacto na integridade do seu SEO

Análise dos concorrentes

A análise competitiva te ajuda a descobrir onde estão seus concorrentes e o que os torna mais visíveis na internet. O objetivo, é entender o que está funcionando para outras pessoas em seu setor, para que você também possa fazer essas estratégias funcionarem para você, para, assim, obter uma vantagem competitiva.
VENDAS COM MAIS INTELIGÊNCIA
Tenha o seu site como uma ferramenta de conversão para os seus negócios, provendo inteligência, por meio de processos otimizados e insights à partir de dados.

EXEMPLO DE CAMPANHA INTEGRADA

CAMPANHAS REALIZADAS NAS REDES SOCIAIS
SITE OU
LANDING PAGE
PREENCHIMENTO
DO FORMULÁRIO
RECEBIMENTO DO FORMULÁRIO DIRETO NO CRM
BI - DASHBOARDS
COM DADOS DE PONTA A PONTA
"De ponta a ponta"

Sales Intelligence

A Sales Intelligence registra quanto dinheiro foi investido no canal de publicidade e quanto foi ganho (ROI) com as vendas, internas.

De acordo com os resultados, podemos concluir sobre a eficácia dos meios de publicidade que temos e distribuir o orçamento. Esta ferramenta é um recurso disponível na plataforma Bitrix24.
"Gestão do relacionamento com o cliente"

CRM

O CRM otimiza o trabalho com os clientes e os acompanha desde o primeiro contato até a venda. Ter o site integrado a um CRM pode trazer benefícios como uma boa experiência na operação do comercial e otimização dos processos do time de vendas, além de contribuir eficazmente na comunicação interna e externa, com os clientes (telefone, e-mail, whatsapp, etc).

Com os dados de toda a jornada, ver e acompanha-los em Dashboard Analítico, traz mais clareza, visão e novos insights para o negócio.
Painéis Analíticos com dados consolidados de diferentes fontes, com visões que trazem exatamente o que você precisa para "ver" o seu negócio e ter os insights necessários. Com o Bitrix24, podemos usar o Power Data e extrair os dados do seu CRM para construir dashboards em tempo real.

Dashboards em tempo real

Mapa de calor

A ferramenta oferece uma apresentação bidimensional com cores diferenciadas e com base na movimentação do consumidor em determinadas áreas, o sistema determina se os produtos daquela região são atrativos ou não para o consumidor.

Gravação de telas (visitas)

Observar como o cliente se comporta dentro do seu site, pode te ajudar a melhorar a performance e facilidade no atendimento comercial.
LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS (LGPD)
Adequamos o site à LGPD e orientamos quanto à Política de Uso de Dados, Privacidade e Gestão de Cookies.

Adequação de formulários (LGPD)

Em sites desenvolvidos pela Bytebio, deixamos todos os formulários com coletas de consentimento e informações para a Política de Privacidade e Uso de Dados de seu site. Em sites desenvolvidos por terceiros, podemos auxiliar nesta implantação.

Junto à um CRM, como o Bitrix24, podemos usar a anonimização dos dados, quando uma pessoa solicitar.
Veja mais aqui

Gestão de cookies

Implantamos um sistema para a Gestão de Cookies em seu site, assim como a gestão da coleta de consentimentos, para que seu usuário possa revogar ou mudar o consentimento, além de ter guardado a comprovação de todos os consentimentos coletados. O usuário pode exercer o direito de ajustar as preferências sobre os Cookies e o seu site fica dentro das normas exigidas, como na LGPD.
AJUSTES FINOS
Ajustes recomendados que seguem boas práticas de segurança, roteamento (DNS) e desempenho.

Segurança

Em nossos websites, usamos plataformas complementares (CloudFlare) que realizam uma camada extra de segurança, com monitoramento e regras de firewall atualizadas, bloqueando bots maliciosos e tentativas de invasão para coleta de dados. Está incluso a proteção contra ataques de negação de serviço (DoS).

Em todos os sites são utilizados os protocolos "https" com modo de criptografia SSL/TLS completo, de ponta a ponta, usando um certificado autoassinado no servidor.

Entradas de DNS

Cuidamos e gerenciamos de todas as entradas de DNS de seu domínio, garantindo que os endereços de IP das aplicações não fiquem expostos à ataques DDoS, utilizando o CloudFlare como Proxy e camada de segurança e cache.

Além disto, cuidamos de todas as entradas de subdomínios (A, AAAA, CNAME, TXT) e zelamos pelas boas práticas nas configurações de emails, com MX, SPF, DKIM, TXT, CNAME e o que for necessário para que seu serviço ou aplicação seja executado em alto nível.
(SMTP / Newsletter)

E-mails transacionais

Para que os emails de seu site, notificações de automações ou campanhas de CRM / Newsletters sejam entregues, evitando SPAM ou serem tratados como Phishing, é necessário realizar configurações técnicas para que o SMTP e os certificados do email do remetente estejam devidamente ajustados, conforme entradas específicas de DNS e boas práticas, como o uso do "Cancelar inscrição". A Bytebio cuida disso tudo para você e sua empresa.

Gestão de cache

Uma das vantagens mais claramente percebidas pelos usuários é a velocidade de carregamento das páginas.

Em nossos sites, utilizamos o sistema de proxy reverso do CloudFlare, responsável por responder às requisições dos usuários de forma eficiente. O recurso, combinado com sistema de cache, faz com que o ganho em desempenho seja perceptível para os usuários. E na internet, como sabemos, cada milissegundo a menos faz diferença.
Adotamos práticas que otimizam a performance do site, em termos de tempo de carregamento da página, tempo de latência, entre outros, impactando no desempenho e a velocidade de carregamento das páginas. É possível ativar aqui itens como minificação de scripts, otimização de imagens (compressão automática) e a função Rocket loader, criada pela CloudFlare para acelerar o carregamento de sites, entre outras.

Otimização e performance

Comparação simbólica da velocidade de acesso a um site com e sem CloudFlare
MARKETING ANALÍTICO
Junte a Bytebio com o seu setor de marketing para aumentar a performance do seu negócio.

Confira como a Bytebio pode
atuar dentro do seu negócio

● Condução das atividades de MKT
● Criação (Criativo / Produção)
● Copy / SEO
● Gestão de orçamentos
● Gestão de campanhas
● Gestão das mídias
● Análise dos resultados das mídias
● Relatórios
● Estruturação dos dados
● Implementação dos processos (BPM)
● Tecnologias Web
● Desenvolvimento / Automações
● Integrações de sistemas
● Geração de dados consistentes
● Data-Driven 360º e Dashboards
● Ads IA / Copy IA
● Eficiência (Recursos) / Efetividade
● Predição
● ROAS / ROI
● Ajustes de rota (estratégico/tático)
● Inteligência ao negócio (Dados)
● Branding
● Plano de marketing
● Planejamento de campanhas
● Gestão redes sociais
● Gestão dos canais
● Estratégia e Gestão de UTM's
● Publicação de anúncios
● Operação do plano tático
● Otimização de processos
● Fluidez operacional
● UX
● SEM e SEO Técnico
● CRM
● Sistemas de comunicação
● Definição das métricas (KPI's)
● Entregas de valor à operação
● Entregas de valor ao negócio
● Análises (UX, Dados, Fraudes)
● SEO Analítico
● Análise de Concorrentes
● Análise 360º das Campanhas
Marketing Analítico Bytebio

QUEM FAZ O QUÊ?

Web Analytics - Agências de Marketing | Bytebio
Legenda:
Não consta
Parcial
Completo
Agências de MKT
Bytebio
Gestão de mídias sociais
Criativo e elaboração
de peças e posts
Redação de conteúdos
e textos
Elaboração design de site ou Landing Page (LP)
Construção técnica do site ou LP
Configurações Google Analytics, GTM, Google Search Console
Criação de campanhas e Anúncios no Gads, FB, Insta ou LinkedIn
SEO avançado e relatórios
Mapa de calor e Gravações de telas
Integrações com CRM, Automações e Relatórios Analíticos
Adequação LGPD, Cookies e Formulários
Ajustes Finos: Segurança, DNS, SMTP, Cache, Otimização & Performance

Com uma boa estratégia alcançamos grandes resultados

Atuamos no nível estratégico do negócio. Ou seja, participamos como parceiros tecnológicos, colaborando na visão da estratégia digital, juntamente com todos os envolvidos (diretores, coordenadores, agências etc). Promovemos a cultura data-driven e auxiliamos na análise de dados, de forma a alcançar resultados reais para a empresa.
SMART SITES PLANOS
Selecione o seu melhor plano ou diga-nos como podemos customiza-los ao seu negócio.
Planos - Web Analytics | Bytebio
Legenda:
Não consta
Parcial
Completo
Plano I
Plano II
Plano III
Plano IV
Construção técnica do site ou Landing Page
(nº páginas)
até 10
até 20
até 40
Consultoria em Marketing Analítico e orientações LGPD
até 2h
até 4h
até 2h
Configurações Google Analytics*, GTM, Google Search Console
Google Analytics
Rastreamento de Eventos + Conversões e Metas
SEO Avançado e Relatórios (Setup e 2 meses de relatórios)
SEO básico
Integrações com CRM, Automações e Sales Intelligence (Bitrix24) **
Mapa de calor e Gravações de Telas
(1.500 sessões/mês) *
Dashboard Analítico com dados consolidados
Adequação LGPD, Cookies * e Formulários
Ajustes Finos*: Segurança, DNS, SMTP, Cache, Otimização, Performance
(*) Os sistemas utilizados nestes serviços são referentes à planos Free
(**) É necessário ter um plano comercial Bitrix24 CRM à parte

Saiba mais sobre

Glossário da TI

120 termos s siglas sobre Tecnologia da Informação
O campo da tecnologia é repleto de termos e siglas que às vezes confundem usuários e até profissionais com experiência na área. Para entender melhor todo esse universo, criamos um dicionário dos termos e siglas mais importantes da TI.

ABR
A ABR (available bit rate – taxa de bit disponível) é a quantidade média de dados transferidos por unidade de tempo. Por exemplo: um arquivo que possui uma taxa de bit disponível de 256kbit/s transfere, em média, 256.000 bits a cada segundo.

ADVANCED ANALYTICS
O Gartner define plataformas de Advanced Analytics como capazes de proporcionar um ambiente end-to-end para desenvolver e implementar modelos. Estas plataformas devem incluir: (1) acesso aos dados a partir de múltiplas fontes; (2) preparação de dados, exploração, e visualização; (3) a capacidade de implantar modelos e integrá-los nos processos de negócios e aplicações; (4) capacidades performáticas da plataforma, do projeto e do modelo de gestão; e de (5) alta escalabilidade de desempenho tanto para o desenvolvimento e implantação.

ANSI
American national standard institute – instituto nacional americano de padrões.

APACHE TOMCAT
O Tomcat é um servidor web Java, mais especificamente, um container de servlets.

APP
A sigla pode ter vários significados, porém no universo computacional, APP é a abreviação de application ou aplicativo. Trata-se de um programa desenvolvido para executar uma função específica, basicamente para o usuário.

ARDUÍNO
Arduíno é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador com suporte de entrada/saída embutido, uma linguagem de programação padrão, a qual tem origem em wiring (plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre), e é essencialmente C/C++. O objetivo do projeto é criar ferramentas que são acessíveis, com baixo custo, flexíveis e fáceis de se usar por artistas e amadores. Principalmente para aqueles que não teriam alcance aos controladores mais sofisticados e de ferramentas mais complicadas.

ARPANET
A ARPAnet (advanced research projects agency network) é a primeira rede de computadores à base de comutação de pacotes. Criada em 1969 pelo departamento de defesa dos EUA para interligar bases militares e departamentos de pesquisa do governo, deu origem à internet.

ARRAY
O array é um grupo de elementos com atributos semelhantes (como memória ou disco) que podem ser endereçados individualmente.

ASCII
O ASCII (american standard code for information interchange – código americano padronizado de intercâmbio de informações) é o conjunto internacional de caracteres com valores decimais que o computador pode produzir. Por exemplo: TAB=9, espaço=32, Letra A=65, letra a=97, número 0=48.

AWS
A Amazon Web Services (AWS) é uma plataforma de serviços em nuvem segura, oferecendo poder computacional, armazenamento de banco de dados, distribuição de conteúdo e outras funcionalidades para ajudar as empresas em seu dimensionamento e crescimento.

B2B
B2B (business to business) é a expressão utilizada para indicar operações entre empresas. A natureza dessa operação pode ser revenda, transformação ou consumo.

B2C
O B2C (business to customer) é a expressão utilizada para indicar operações entre empresa e consumidor final.

BACKBONE
O backbone é a rede principal por onde circulam todos os dados de todos os clientes da internet.

BACKUP
O backup é a cópia de dados de um dispositivo de armazenamento a outro para que possam ser restaurados em caso da perda dos dados originais, o que pode envolver apagamentos acidentais ou corrupção de dados.

BAM
O BAM (business activity management – monitoramento das atividades de negócio) é o termo que define como podemos fornecer acesso em tempo real aos indicadores críticos de desempenho de negócios para aumentar a velocidade e a eficácia das operações de negócios. Ao contrário de monitoramento em tempo real tradicional, o BAM vai buscar a informação em múltiplos sistemas de aplicação e também em outras fontes internas e externas, permitindo uma visão mais ampla e mais rica das atividades empresariais.

BBS
O BBS (bulletin board system) é um ambiente virtual formado por computadores, modems e um software de comunicação ligados a uma ou mais linhas telefônicas. A partir de uma configuração básica feita com scripts e arquivos de texto, é possível criar seu próprio sistema e conectá-lo a outros por meio de uma rede telefônica usando um modem.

BDE
O BDE (borland database engine) é um mecanismo de acesso a banco de dados desenvolvido pela Borland, amplamente testado por ser usado no mundo inteiro.

BIG DATA
Big Data é um termo amplamente utilizado na atualidade para nomear conjuntos de dados muito grandes ou complexos, que os aplicativos de processamento de dados tradicionais ainda não conseguem lidar. Os desafios desta área incluem: análise, captura, curadoria de dados, pesquisa, compartilhamento, armazenamento, transferência, visualização e informações sobre privacidade dos dados.

BIOS
O BIOS (basic input output system) é o sistema básico de entrada e saída.

BI
o Business Intelligence (BI) é um software para visualização de indicadores de negócios. Possibilita o tratamento de dados complexos para criar visões simplificadas.
Leia mais no nosso artigo sobre as diferenças entre o OpMon Dashboards e as ferramentas de BI

BIT
O BIT é a sigla da união das palavras BInary digiT ou dígito binário. Trata-se da menor unidade de medida de dados que pode ser armazenada ou transmitida no universo computacional. Um bit tem um único valor, sendo zero ou um, ou seja, verdadeiro ou falso.

BOTNET
Um botnet é uma coleção de programas conectados à internet que comunicam-se com outros programas similares, a fim de executar tarefas. Também é uma coleção de agentes de software ou bots que executam autonomamente e automaticamente. O termo é geralmente associado com o uso de software malicioso, mas também pode se referir a uma rede de computadores, utilizando software de computação distribuída.

BPM
O BPM (business process management – gerenciamento de processos de negócio) é uma gestão de processos de negócio. Essa gestão é feita através de uma visão sistêmica e geral da organização e é baseada na definição de parâmetros, monitoramento, controle e adaptação para melhoria contínua dos processos. A automação dos processos também é um objetivo do uso do BPM.

BPMN
O business process model notation ou notação de modelagem de processos de negócio é um registro desenvolvido para definir e gerenciar processos na esfera de negócios. A principal funcionalidade é facilitar a o entendimento do BPM. Acesse nosso post sobre BPMN para saber mais.

BPS
O BPS (bits per secondbits por segundo) é a medida de transmissão ou recepção de bits.

BYOD
O BYOD (bring your own device – traga seu próprio dispositivo) é a possibilidade de utilizar dispositivos pessoais como smartphones, tablets ou notebooks no local de trabalho para uso e conectividade com a rede corporativa. O BYOD proporcionou um aumento na produtividade nas empresas, pois os colaboradores podem utilizar seus próprios equipamentos, tornando-os mais independentes e dispostos a trabalhar.

CACHE
O cache é um dispositivo de acesso rápido, interno a um sistema, que serve de intermediário entre um operador de um processo e o dispositivo de armazenamento ao qual esse operador acede.

CAPEX e OPEX
O CAPEX (capital expenditure – despesas de capital) designa o montante de dinheiro despendido na aquisição (ou introdução de melhorias) de bens de capital de uma determinada empresa.
O OPEX (operational expenditure) é o capital utilizado para manter ou melhorar os bens físicos de uma empresa, tais como equipamentos, propriedades e imóveis. As despesas operacionais são os preços contínuos para dirigir um produto, o negócio, ou o sistema.

CATÁLOGO DE SERVIÇOS
O Catálogo de Serviço traz uma visão clara de quais serviços a TI oferece e como a TI agrega valor para os recursos financeiros alocados. Oferece um método para requisitar ou pedir os serviços publicados, viabilizando a boa governança em que os principais termos, condições e controles definidos nele estejam integrados aos processos de prestação de serviço da organização. Também permite que a organização melhore o planejamento, a entrega e o suporte aos serviços, enquanto avalia de forma correta os custos e preços do serviço.

CEM
CEM (customer experience management – gerenciamento da experiência do usuário) é a percepção da interação entre uma empresa e um consumidor através da visão do próprio cliente. Pode se dizer que o CEM é uma experiência do consumidor através de interações com a marca durante o processo de compra.
Com o objetivo de agregar alto valor tecnológico ao ambiente de negócios, a OpServices desenvolveu o OpCEM software de criação e edição de robôs que simulam a experiência do usuário. Através de um usuário virtual, a solução é configurada para fazer todo o caminho necessário para realizar uma atividade como, por exemplo: fazer o login em uma área restrita, realizar um cadastro, fazer uma compra em uma loja virtual, etc.

CI ou IC
Configuration item ou item de configuração é um dispositivo que pode ser configurado com o objetivo de se entregar a um serviço de TI. Por exemplo: servidor, roteador, switch, access point, entre outros.

CIA ou AIC
Os configuration item attribute ou atributos de item de configuração são métricas e indicadores monitorados dentro dos CIs ou ICs. Por exemplo: no monitoramento de um servidor (IC) temos alguns indicadores (AIC) que podem ser monitorados como: CPU, memória, disco, entre outros.

C-LEVELS
As nomenclaturas representam o chamado ‘nível C’. O significado completo é “Chief ______ Officer”, com o espaço em branco representando a área da empresa que a pessoa chefia:
• CEO (chief executive officer) – Presidente-executivo ou diretor geral.
• CFO (chief financial officer) – Diretor financeiro.
• COO (chief operation officer) – Diretor operacional.
• CMO (chief marketing officer) – Diretor de marketing.
• CPO (chief product officer) – Diretor de produto.
• CTO (chief technology officer) – Diretor de tecnologia.
• CIO (chief information officer) – Diretor de TI.
• CAO (chief accounting officer) – Diretor de contabilidade.
• CBO (chief business officer) – Diretor de negócios.
• CCO (chief commercial officer) – Diretor comercial.
• CCO (chief communications officer) – Diretor de comunicações.
• CCO (chief creative officer) – Diretor de criação.
• CCO (chief content officer) – Diretor de conteúdo.
• CDO (chief digital officer) – Diretor digital.
• CDO (chief diversity officer) – Diretor de diversidade.
• CDO (chief design officer) – Diretor de design.
• CHRO (chief human resources officer) – Diretor de recursos humanos.
• CLO (chief legal officer) – Diretor jurídico.
• CSO (chief science officer) – Diretor científico.

CLOCK RATE
O clock rate indica a frequência com que o processador de um computador funciona. Seu sistema de medidas é em Hertz (MHz ou GHz, por exemplo).

CLOUD COMPUTING
O cloud computing (computação em nuvem) refere-se à utilização da memória e da capacidade de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da internet, seguindo o princípio da computação em grade.

CLUSTER
Um cluster consiste em computadores vagamente ou fortemente ligados que trabalham em conjunto para que, em muitos aspectos, eles possam ser vistos como um único sistema. Saiba mais sobre o funcionamento de um cluster acessando o post em nosso blog.

CMDB ou BDGC
O CMBD (configuration management database – banco de dados do gerenciamento de configuração, ou BDGC) é um repositório de informações relacionadas a todos os itens de configuração na infraestrutura de TI. O CMDB é um componente fundamental do processo de gerenciamento de configuração do ITIL. O CMDB é a fonte confiável de informação sobre configuração de todo e qualquer componente do ambiente de TI, incluindo servidores, roteadores, desktops, impressoras, telefones, softwares, etc.

COBOL
O COBOL (COmmon Business Oriented Language – linguagem comum orientada para negócios) é uma antiga linguagem de programação orientada para o processamento de banco de dados comerciais.

COBIT
O COBIT (control objectives for information and related technology) auxilia a empresa a ter uma governança de TI mais controlada. É focado no negócio e tem por finalidade fornecer aos gestores um modelo de governança que ajude a entregar valor a TI e também a gerenciar de forma mais clara os riscos associados a área.

COOKIES
Cookies são pequenos arquivos que ficam armazenados no computador. Eles são feitos para guardar dados específicos de um cliente ou website, para serem acessados futuramente pelo servidor web de maneira mais rápida.

CPU
Central processor unit ou unidade central de processamento é o responsável pelo controle e execução das tarefas do computador, ou seja, é onde todas as operações do computador são processadas.

CRM
O CRM (customer relationship management – gerenciamento do relacionamento com o cliente) é um sistema integrado de gestão com foco no cliente, que reune vários processos e tarefas de uma forma organizada e integrada.

DATACENTER (DC) ou CPD
O datacenter (DC) ou CPD (centro de processamento de dados) é um ambiente projetado para abrigar servidores e outros componentes como sistemas de armazenamento de dados e ativos de rede.

DBMS ou SGBD
DBMS é a sigla para data base management system, em português a sigla é SGBD (sistema de gerenciamento de banco de dados).

DASHBOARDS
Os dashboards são painéis visuais que centralizam informações importantes para o negócios. Permitem, desta forma, entender o cenário em tempo real e tomar decisões baseadas em informações reais e que estão ocorrendo agora, monitoradas minuto a minuto.

DDR
O DDR (double data rate) é a taxa de transferência dobrada.

DEVOPS
Derivada da junção entre Desenvolvedor e Operações, DevOps é uma metodologia de desenvolvimento de software que busca maximizar os resultados das equipes de TI. A metodologia integra toda a equipe de colaboradores e torna mais eficiente a comunicação entre eles, elevando o desenvolvimento de software e as equipes de TI a um novo patamar. As empresas que possuem as suas equipes de TI têm essas equipes compostas por profissionais especializados em diversas tecnologias, linguagens e operação em sistemas, que vão do RH ao financeiro, passando por todos os setores chaves da empresa.

DHTML
O DHTML é uma união de tecnologias HTML, JavaScript e CSS, aliadas a um Modelo de Objeto de Documentos (DOM), que permitem a interatividade e animação de websites modificando a dinâmica na própria máquina, sem a necessidade de acessos a um servidor web.

DOWNTIME
O downtime é o tempo que o sistema não está operacional. Saiba como calcular o custo de um downtime.

DNS
DNS (domain name system – sitema de nomes e domínios) é um sistema que gerencia nomes e reconhece seus números de IP para fazer uma conexão. Devido ao DNS pode-se, por exemplo, digitar na barra de endereços do navegador ’www.opservices.com.br’ para acessar o site ao invés de um monte de números e pontos.

ELASTIC SEARCH
O elasticsearch é uma ferramenta para buscas de código aberto (opensource) que tem capacidade para tratar de grandes quantidades de dados em tempo real. O servidor de buscas distribuído é baseado em Apache Lucene e desenvolvido em Java, utilizando uma interface comum, JSON sobre https. Entre as principais vantagens da engine de pesquisa full-text estão a disponibilidade de dados em tempo real (near-realtime), a alta disponibilidade para tratar grandes volumes de dados e armazenamento de dados em forma de documentos.

ERP
O ERP (enterprise resource planning – planejamento de recursos da empresa) é um sistema de gestão empresarial. Sua função é unificar os sistemas de diversas áreas da empresa, por exemplo, ao invés de cada área utilizar um sistema diferente de gerenciamento de suas atividades, uma solução de ERP é capaz de unificar estas informações, tornando os departamentos integrados.

ETHERNET
É um protocolo de conexão para redes locais (LAN) com base no envio de pacotes.

FIREWALL
O firewall é um dispositivo de uma rede de computadores que tem por objetivo aplicar uma política de segurança a um determinado ponto da rede.

FAQ
FAQ (frequently asked questions) é a lista de perguntas e respostas mais freqüentes feitas pelos internautas.

FTE
O FTE (full-time equivalent – equivalente a tempo completo) é um método de mensuração do grau de envolvimento de um colaborador nas atividades de uma organização ou unicamente em um determinado projeto.

FTP
O FTP (file transfer protocol – protocolo de transferência de arquivos) é uma forma rápida e simples de transferência de arquivos na internet. Pode representar tanto o computador que transfere o arquivo quanto o servidor FTP.

GATEWAY
Computador que interliga duas ou mais redes que usem protocolos de comunicação internos diferentes.

HOTSPOT
Hotspot é o nome dado ao local onde a tecnologia wi-fi está disponível. São encontrados geralmente em locais públicos como cafés, restaurantes, hotéis e aeroportos onde é possível conectar-se à internet utilizando qualquer dispositivo que esteja preparado para se comunicar em uma rede sem fio do tipo wi-fi.

HTML
O HMTL (hyper text markup language) é a linguagem de marcação mais popular na internet.

https
O https (hypertext transfer protocol – protocolo de transferência de hipertexto) é um protocolo de comunicação que decide como dois computadores ou programas transmitirão dados na Internet. Normalmente, o https utiliza a porta 80 se comunicando na linguagem HTML.

https
O https (hypertext transfer protocol secure – protocolo seguro de transferência de hipertexto ) é uma implementação do protocolo https sobre uma camada adicional de segurança que utiliza o protocolo SSL/TLS (protocolos de segurança que protegem as telecomunicações via internet para serviços de transferência de dados.). Essa camada adicional permite que os dados sejam transmitidos por meio de uma conexão criptografada e que se verifique a autenticidade do servidor e do cliente por meio de certificados digitais.

HUB
O hub é a denominação dada ao equipamento para onde convergem dados que chegam de uma ou várias fontes e seguem para um ou vários destinos, dependendo do tipo e do comando recebido. Pode incluir uma switch e um roteador.

IAAS
IaaS (infrastructure as a service – infraestrutura como serviço) é uma modalidade onde o cliente contrata a infraestrutura como serviço, ou seja, contrata servidores virtuais ao invés de servidores físicos.

INTRANET
A intranet é a rede interna de computadores de uma empresa.

I&O
O termo I&O (infrastructure & operations) designa os profissionais das áreas de infraestrutura e operações.

IOBVD
IOBVD (infrastructure & operations business value dashboards). Diferentemente dos sistemas tradicionais utilizados pelos profissionais de TI e I&O, que se concentram apenas em exibir resultados operacionais, o IOBVD consegue cruzar essas informações com dados financeiros, comerciais, logísticos e de diferentes áreas e apresentar um resultado que indique, por exemplo, qual foi o impacto no faturamento gerado pela indisponibilidade de uma determinada aplicação. Ou, em uma visão orientada à vendas, a partir de uma queda nos resultados das vendas online descobrir se a causa-raíz deste problema está na diminuição da demanda ou é originada de um problema na operação ou de infraestrutura de TI. Saiba mais sobre IOBVD acessando nosso post.

IOT
Internet of things (IOT) ou internet das coisas é o termo utilizado para a conexão de basicamente qualquer coisa à internet, seja ela um eletrodoméstico, dispositivo, tênis, enfim, qualquer coisa. Para saber mais sobre IOT acesse nosso post exclusivo sobre o assunto.

ITIL
ITIL (information technology infrastructure library – biblioteca de infraestrutura de TI) é um conjunto de melhores práticas para gerenciar os serviços de TI.

IP e IPv6
O IP (internet protocol – protocolo de internet) é um endereço único que diferencia cada dispositivo conectado à internet.
O IPv6 é a versão mais atualizada do IP, e possui mais números e protocolos. Surgiu para substituir gradativamente o IPv4, que já não suporta mais o cenário atual de IPs.

JAVA
Java é uma linguagem de programação interpretada orientada a objetos. Diferente das linguagens de programação convencionais, que são compiladas para código nativo, é compilada para um bytecode (código de um programa escrito na linguagem Java) que é executado por uma máquina virtual (JVMs).

JBOSS
JBoss é um servidor de aplicação de código fonte aberto baseado na plataforma JEE (Java Enterprise Edition) e implementado completamente na linguagem de programação Java.

LAN
A LAN (local area network – rede de área local) é uma rede local que tem por finalidade a troca de dados dentro um mesmo espaço físico. O limitador da rede LAN é uma faixa de IP restrita à mesma, com uma máscara de rede comum.

LAAS
LaaS (license as a service – licença como serviço) é uma modalidade de comercialização onde o cliente adquire em definitivo as licenças de determinado software.

OCR
O OCR (optical character recognition) é um programa utilizado para reconhecer textos existentes em documentos digitalizados, tornando a informação disponível para ser utilizada.

M2M
O M2M (machine to machine – máquina à máquina) é a tecnologia que permite que qualquer objeto transmita dados através de um sensor. Esse sensor captura dados como geolocalização, temperatura, e outros, e os envia por meio de uma rede a um software.

MAINFRAME
É um computador de grande porte, com foco no processamento de um grande volume de informações.

MARIADB
O MariaDB é um banco de dados ramificado do MySQL. Após a aquisição do MySQL pela Oracle o seu desenvolvedor criou o MariaDB para manter a alta fidelidade ao MySQL.

MySQL
O MySQL é um SGBD (sistema de gestão de banco de dados) que utiliza a linguagem SQL como interface.

MS SQL
O Microsoft SQL Server é um SGDB desenvolvido pela Microsoft. Sua principal função é a de armazenar e recuperar dados solicitados por outras aplicações de software, sejam aqueles no mesmo computador ou aqueles em execução em outro computador através de uma rede (incluindo a Internet).

MTTR e MTBF
O MTTR (mean time to repair – tempo médio para reparo) é a média de tempo que se leva para executar um reparo após a ocorrência da falha. Ou seja, é o tempo gasto durante a intervenção em um determinado processo.
O MTBF (mean time between failures – tempo médio entre falhas) é uma métrica que diz respeito à média de tempo decorrido entre uma falha e a próxima vez que ela ocorrerá.

NETFLOW
A partir de sua instalação no roteador Cisco, o NetFlow passa a identificar os pacotes de dados não mais isoladamente, como outras tecnologias, mas como fluxos com início, meio e fim. Quando os fluxos são identificados, eles são armazenados no NetFlow Cache para caracterização e compreensão do tráfego da rede. Após 30 minutos são apagados da memória.

NFC
A NFC foi criada por meio de um consórcio de gigantes da tecnologia: LG, Motorola, Samsung, Huawei, HTC, Google, Visa, Microsoft e Intel. Os celulares compatíveis com essa tecnologia possuem um chip na parte traseira do aparelho que estabelece a comunicação com outros aparelhos que possuem um chip equipado com a NFC.
A NFC permite conexões rápidas em uma curta distância. Por isso, a transmissão de arquivos grandes não é ainda o objetivo dessa tecnologia. Essa tecnologia é baseada em uma já bastante difundida pelo mundo, a RFID (radio frequency identification – identificação por radiofrequência).

ORACLE
O Oracle é um SGBD (sistema de gestão de banco de dados) escrito em linguagem C e disponível em diversas plataformas materiais.

P2P
O P2P (peer to peer – ponto a ponto ou par a par) é uma arquitetura de redes de computadores onde cada um dos pontos ou nós da rede funciona tanto como cliente quanto como servidor, permitindo compartilhamentos de serviços e dados sem a necessidade de um servidor central.

PDF
PDF (portable document format) significa formato de documento portátil.

QUERY
Query é o processo de extração de dados de um banco de dados e sua apresentação em uma forma adequada ao uso.

RACK
Local físico onde se monta um conjunto de equipamentos relacionados, como servidores, roteadores, switches, etc.

ROI
O ROI (return on investment – retorno sobre o investimento) é a mensuração do tempo necessário para retornar o valor investido na aquisição de novas soluções tecnológicas. Para aprender como calcular o ROI em projetos de TI acesse nosso post.

SAAS
SaaS (software as a servicesoftware como serviço) é uma forma de comercialização de software onde o fornecedor se responsabiliza por toda a estrutura necessária para a disponibilização do sistema.

SFLOW
O sFlow é uma simplificação do protocolo NetFlow. Sendo também um protocolo e possui o conceito de Probe (agente projetado para coletar informações diretamente de uma rede) e Collector(servidor central que recolhe os datagramas de todos os agentes para armazenar e analisar).

SCM
O SCM (supply chain management – gerenciamento da cadeia de suprimentos) é uma solução que possibilita à empresa gerenciar a cadeia de suprimentos com maior eficácia e eficiência. Consiste basicamente em todas as partes relacionadas, direta ou indiretamente, na execução do pedido do cliente.

SQL
SQL (structured query language – linguagem de consulta estruturada) é a linguagem de pesquisa declarativa padrão para banco de dados relacional.

SLA
Fundamental para qualquer contrato de prestação de serviços na área de TI, o SLA (Service Level Agreement – acordo de nível de serviço, ou ANS) é a especificação, em termos mensuráveis e claros, de todos os serviços que o contratante pode esperar do contratado na relação contratual, bem como termos de compromisso, metas de nível de serviço, suporte técnico, prazos contratuais, dentre outros aspectos. Em outras palavras, é um esclarecimento técnico do contrato.

É importante deixar claro que o SLA é um documento exigido em qualquer relação contratual de TI, sendo descrito na ABNT (associação brasileiras de normas técnicas) NBR ISO-IEC 20000-1, e que deve ser revisto periodicamente para que tenha maior efetividade. É apenas com a revisão feita continuamente que o contratante pode ter a garantia de que a empresa de TI oferecerá suporte em todas as etapas do processo que, evidentemente, requerem cuidados e serviços diferenciados.

STACK
O stack ou empilhamento consiste em dois ou mais switches com o objetivo de gerenciar a rede através de um único endereço IP.

TCO
O TCO (total cost of ownership – custo total da posse) é a estimativa financeira sobre os custos diretos e indiretos relacionados à aquisição de um software ou hardware, além dos custos envolvidos para mantê-los funcionando depois de adquirido.

TCP/IP
O TCP/IP é um conjunto de protocolos de comunicação entre computadores em rede. Seu nome vem de dois protocolos: o TCP (transmission control protocol – protocolo de controle de transmissão) e o IP (internet protocol – protocolo de internet). O conjunto de protocolos pode ser visto como um modelo de camadas, onde cada camada é responsável por um grupo de tarefas, fornecendo um conjunto de serviços bem definidos para o protocolo da camada superior.

TI e TIC
TI (tecnologia da informação) e TIC (tecnologia da informação e comunicação) correspondem a um conjunto de recursos tecnológicos integrados entre si. O TIC consiste em todos os meios técnicos usados para tratar a informação e auxiliar na comunicação, o que inclui hardware e software.

UX
Também conhecido como user experience ou experiência do usuário, é a preocupação dos designers e desenvolvedores em criar aplicações pensadas na visão e utilização de seus usuários.

URL
A URL (uniform resource locator – localizador padrão de recursos) refere-se ao endereço de rede no qual se encontra algum recurso informático, como por exemplo um arquivo de computador ou um dispositivo periférico.

VM
A VM (virtual machine – máquina virtual) consiste em um software de ambiente computacional, que executa programas como um computador real, também chamado de processo de virtualização.

VPN
VPN (virtual private network – rede privada virtual) é uma rede de comunicação privada. Por fornecerem autenticação e confidencialidade na transmissão de dados, além de protocolos criptografados por tunelamento, as VPNs tornam-se mais seguras e confiáveis nas comunicações.

XML
O XML (extensible markup language) é uma linguagem de marcação capaz de descrever diversos tipos de dados. É um dos subtipos da SGML (standard generalized markup language) e sua principal finalidade é facilitar o compartilhamento de informações através da internet. Uma das características fundamentais do XML é possibilitar a criação de uma infraestrutura única para diversas linguagens, facilitando a definição de linguagens desconhecidas.

WAN
A WAN (wide area network – rede de longa distância) é uma rede de computadores que cobre uma área extensa como uma universidade, cidade, estado ou até mesmo um país.

WEB
WWW (world wide web) ou WEB é a sigla que denomina a rede mundial de computadores ligados em rede.

WEBNAR
O webnar (ou webinar) é um tipo de conferência web no qual a comunicação é de uma via apenas, ou seja, somente uma pessoa se expressa e as outras assistem. A interação entre os participantes é limitada apenas ao chat, de modo que eles podem conversar entre si ou enviar perguntas ao palestrante.

WEBSPHERE
WebSphere é o nome de uma família de softwares da IBM para criação e execução de aplicações baseadas no padrão Java J2EE, fornecendo também infraestrutura para integração de aplicações corporativas.

Glossário no Marketing Digital

40 siglas e termos utilizados que podem ser úteis saber, em associação à Tecnologias Web
Os termos técnicos devem pertencer ao mundo de quem quer impulsionar o seu negócio de marketing digital.

Para ajudá-lo nessa tarefa, separamos 40 termos e siglas de marketing digital que todo empresário deve saber! Confira nossa lista abaixo:

Automação de marketing: quando as etapas de marketing digital se tornam automatizadas e, por isso, fica mais fácil escalar os resultados.


Alcance: número de pessoas que visualizaram um post ou campanha que você veiculou.


Alcance orgânico: número de pessoas que visualizaram um conteúdo naturalmente, sem que houvesse nenhum investimento pago para isso.


Alcance pago: número de pessoas que visualizaram um conteúdo porque houve um investimento pago para isso.


Application Programming Interface (API): grupo de padrões para que softwares, aplicativos e outras plataformas web se desenvolvam e se comuniquem.


Banner: imagem ou vídeo, normalmente promocional, que fica no topo das lojas virtuais para atrair a atenção do consumidor.


Black Hat SEO: estratégias ilícitas ou que usam trapaças para posicionar melhor um site no Google.


Blog: conjunto de textos publicados na internet. É possível ter um site inteiro no formato de blog ou incluir uma sessão de blog em um site institucional ou dentro de um e-commerce, por exemplo.

CAC (Custo de Aquisição por Cliente): valor gasto em marketing e outras estratégias para adquirir um novo consumidor para o negócio. É calculado somando todo o valor investido e dividindo esse número pelo total de clientes conquistados dentro de um período.


Conversão: acontece quando o consumidor compra um produto, contrata um serviço ou realiza alguma ação desejada pela empresa.


CPC (Custo por Clique): valor que é descontado de um orçamento toda vez que um consumidor clica em um link. É muito utilizado em campanhas de links patrocinados, cujo objetivo é fazer com que o consumidor clique em uma publicidade e vá para o site do anunciante.


CTA (Call to Action): chamada para que o consumidor execute uma ação, como comprar, fazer um download ou se inscrever em uma newsletter.

Engajamento: participação de um usuário em algum material seu. Os principais tipos de engajamento nas redes sociais são: comentários, curtidas, reações e compartilhamentos.


Guest post: texto publicado em seu blog por um convidado.


Inbound Marketing: nova tendência de marketing em que a marca desperta o interesse do cliente e faz com que ele vá até ela.


Landing Page: página destinada à um tipo de conversão, sobretudo à criação de leads.

Lead: pessoa que demonstrou interesse no seu mercado, produtos ou marca por meio de um cadastro.


Link patrocinado: publicidade dos buscadores, como o Google, que permite que as marcas criem anúncios relacionados à pesquisa de um usuário.


Link building: estratégias que fazem com que outros sites relevantes, do mesmo segmento, apontem para o seu. O link building é uma importante tática de SEO.


Mobile-friendly: sites, aplicativos e outro conteúdo web que têm design pensado, também, para dispositivos móveis, como smartphones e tablets.


Outbound marketing: marketing mais tradicional, em que a marca procura o consumidor e tenta convencê-lo a comprar.


Opt-in: quando o consumidor, declaradamente, expressa a vontade de receber conteúdo de uma marca, geralmente por e-mail.


Palavra-chave: termo usado como foco de uma campanha ou ação. Pode ser usada para classificar o seu anúncio ou para segmentar uma publicidade, por exemplo.


Page rank: algoritmo do Google utilizado para avaliar e ranquear os sites nas páginas de resultado da mais relevante para a menos relevante.


Page-view: número de visualizações de uma página na internet.


Persona: perfil de cliente criado para guiar as estratégias de marketing e vendas.


Publieditorial: conteúdo patrocinado por uma empresa e publicado em um canal de conteúdo, como um blog ou portal.


Remarketing: estratégia cujo objetivo é identificar consumidores que demonstraram interesse em um produto e convidá-los a finalizar a compra, por meio de publicidade e e-mail marketing.


Responsivo: aplicativos, sites e outros conteúdos web que são mobile-friendly, ou seja, estão disponíveis para dispositivos móveis.


ROI (Return on Investiment): retorno sobre o investimento feito em uma campanha. É calculado em duas etapas. Primeiro deve-se subtrair o custo da campanha pela receita gerada e, depois, dividir o total pelo custo. Na sequência, multiplica-se o resultado por 100.


Segmentação: ato de dividir um mesmo público em grupos para garantir que campanhas de marketing sejam sempre direcionadas para as personas certas.


Search Engine Marketing (SEM): estratégias de marketing digital (incluindo mídia paga) que tem como objetivo destacar um site nas páginas dos buscadores, como o Google.


Search Engine Optimization (SEO): conjunto de estratégias que um site pode adotar para se posicionar melhor nos resultados dos buscadores de forma orgânica.


SERP: nome dado às páginas de resultado que o Google apresenta depois que um usuário faz uma busca.


Taxa de abertura: número de e-mails abertos dividido pela quantidade de e-mails recebidos por seus contatos.


Taxa de clique (CTR): número de cliques que uma peça obteve dividido pelo número de visualizações. Pode ser usada em ferramentas como e-mail marketing e posts de redes sociais.


Teste A/B: teste que consiste em apresentar dois elementos diferentes para o público e avaliar qual deles obtém os melhores resultados.


Visitante: pessoa que fez uma visita ao seu site, blog ou e-commerce.


Visita: número de vezes em que alguém acessou seu site, blog ou e-commerce.


White hat SEO: táticas para posicionar melhor seu site no Google que são aceitas e recomendadas pelo buscador.